Portal ENSP - Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca Portal FIOCRUZ - Fundação Oswaldo Cruz
Início / Palavras Chave / eletronic cigarettes devices

eletronic cigarettes devices

11/11/2020

O propósito dessas diretrizes é garantir que os esforços para proteger o controle do tabaco dos interesses comerciais e outros interesses da indústria do tabaco sejam abrangentes e eficazes.

Referência

DIRETRIZES para implementação do artigo 5.3 da Convenção-Quadro da Organização Mundial da Saúde para o Controle do Tabaco. INCA, Rio de Janeiro, 2016. disponível em: https://www.inca.gov.br/sites/ufu.sti.inca.local/files//media/document//.... Acesso em: 16 nov. 2020.

 

03/11/2020

Jovens que utilizam os cigarros eletrônicos ou os vaporizadores têm de cinco a sete vezes mais risco de serem infectados pelo novo coronavírus, causador da Covid-19, aponta um estudo publicado na revista científica Journal of Adolescent Health, que entrevistou mais de 4 mil residentes nos Estados Unidos.

Referência

COVID-19: Jovens que usam cigarros eletrônicos têm até sete vezes mais risco de contrair a doença. Pebmed, Rio de Janeiro, 3 nov. 2020. Disponível em: https://pebmed.com.br/covid-19-jovens-que-usam-cigarros-eletronicos-tem-.... Acesso em: 16 abr 2021.

 

22/10/2020

Objetivo: Avaliar a associação entre uso de cigarros eletrônicos e iniciação ao tabagismo, por meio de uma revisão sistemática com meta-análise de estudos longitudinais.Métodos:Busca bibliográfica foi realizada nas bases Medline, Embase, Lilacs e PsycInfo. As etapas de seleção de referências, extração dos dados e avaliação do risco de viés dos estudos foi realizada em dupla, de forma independente e as divergências discutidas com um terceiro pesquisador para obtenção de consenso. Meta-análise foi realizada por meio do modelo Mantel-Haenszel de efeitosaleatórios.Resultados: Dentre os 25 estudos incluídos, 22 avaliaram o desfecho de experimentação de cigarro convencional e nove avaliaram o desfecho de tabagismo atual (nos últimos 30 dias). A meta-análise demonstrou que o uso de cigarro eletrônico aumentou em quase três vezes e meia o risco de experimentação de cigarro convencional (RR=3,42; IC95% 2,81 – 4,15) e em mais de quatro vezes o risco de tabagismo atual (RR=4,32; IC95% 3,13 – 5,94). Conclusões: O risco de iniciação ao tabagismo é significativamente maior entre usuários de cigarro eletrônico. A liberação da comercialização desses dispositivos pode representar uma ameaça para as políticas de saúde pública no Brasil.
 

Referência

BARUFALDI, Laura Augusta  et al. Risco de iniciação ao tabagismo com o uso de cigarros eletrônicos: revisão sistemática e meta-análise. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, n. 319, 2020. Disponível em: https://www.cienciaesaudecoletiva.com.br/artigos/risco-de-iniciacao-ao-t...).. Acesso em: 16 abr. 2021.

 

20/10/2020

A morte do cigarro tem sido prenunciada há décadas. Em tempos de valorização de ativos associados aos princípios ESG (Ambiental, Social e Governança, da sigla em inglês), empresas que fabricam cigarros estariam ainda mais passíveis à derrocada, dada a sua relação com o vício e doenças em milhões de pessoas no mundo. Mas não é exatamente isso o que está acontecendo. E uma prova da resiliência deve ser conhecida nesta manhã de terça, 20, com os resultados da Philip Morris, a fabricante do Marlboro.

Referência

SAKATE, Marcelo. Tabaco ainda é um investimento secular? Philip Morris responde com balanço. Exame, São Paulo, 20 out. 2020. Disponível em: https://exame.com/mercados/tabaco-se-mostrou-na-crise-um-investimento-se.... Acesso e: 16 abr. 2021.

 

20/10/2020

As Philip Morris (NYSE:PM) informou os resultados do terceiro trimestre que superaram as estimativas dos analistas. A empresa também divulgou ganhos com sua marca de cigarros eletrônicos, o IQOS, que no final de setembro contava com cerca de 16,4 milhões de usuários. Destes, 11,7 milhões pararam de fumar os cigarros tradicionais. “O impulso sustentado da IQOS foi excelente”, disse a empresa.

Referência

PHILIP Morris divulga resultados do terceiro trimestre que ultrapassam as estimativas dos analistas. ADVFN News, São Paulo, 20 out. 2020. Disponível em: https://br.advfn.com/jornal/2020/10/philip-morris-divulga-resultados-do-.... Acesso em: 16 abr. 2021.

 

19/10/2020

Segundo dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, o CDC, na sigla em inglês, 3,6 milhões de estudantes de ensino fundamental e médio usam cigarros eletrônicos. A prática, que à primeira vista parece inofensiva, despertou atenção internacional após usuários começarem a apresentar graves lesões pulmonares causadas pelo uso dos dispositivos eletrônicos. Conforme monitoramento do CDC, foram registradas 2.807 internações e 68 mortes nos EUA até fevereiro deste ano, mês em que o último boletim a respeito foi divulgado.

Referência

SUDRÉ, Lu; FERREIRA, Yuri. Futuro da fumaça: Como a indústria do cigarro esconde os perigos do vape para convencer você a fumar. The Intercept Brasil, [s.l.], 19 out. 2020. Disponível em: https://theintercept.com/2020/10/19/como-a-industria-do-cigarro-esconde-.... Acesso em: 16 abr. 2021.

 

17/10/2020

Muitas pessoas, inclusive gestantes, tem recorrido ao cigarro eletrônico por acreditar que eles são menos prejudiciais, pois, apesar de ainda conterem nicotina, eles não produzem toxinas como o monóxido de carbono. No entanto, testes feitos por especialistas da Durham University, na Inglaterra, apontam que os efeitos são tão ruins após a vaporização quanto após fumar cigarros convencionais. E mais, os efeitos negativos são estendidos aos bebês de mulheres que usaram o cigarro eletrônico durante a gravidez. 

Referência

GRAVIDEZ: cigarro eletrônico pode retardar desenvolvimento do bebê, diz estudo. Crescer online, São Paulo, 17 out. 2020. Disponível em: https://revistacrescer.globo.com/Gravidez/noticia/2020/10/gravidez-cigar..... Acesso em: 16 abr. 2021.

 

06/10/2020

Forest is a British based smokers’ rights group. Founded in 1979, the name is an acronym for ‘The Freedom Organisation for the Right to Enjoy Smoking Tobacco.

This page is about the present-day Forest; for more on its historical reliance on tobacco funding, the influence of the industry and Forest’s aim to develop into “an aggressive and intemperate adversary” – see the TobaccoTactics page on the History of Forest, and the page on its director Simon Clark.

Fonte: https://tobaccotactics.org/wiki/forest/

 

17/09/2020

Os cigarros eletrônicos são proibidos no Brasil desde 2009, mas o debate sobre essa decisão continua intenso em virtude do elevado comércio ilegal e da possibilidade de alguns países darem concessões especiais a esses dispositivos sob a alegação de que eles são menos prejudiciais do que os cigarros convencionais. Estudos recentes, contudo, mostram que, embora os cigarros eletrônicos tenham menos substâncias tóxicas do que os cigarros convencionais, eles continuam tendo concentrações nocivas para alguns componentes, e elas podem ser até maiores do que nos cigarros comuns. Além disso, os cigarros eletrônicos vêm com “sabores” de menta ou tutti-frutti que, além da adição de mais produtos químicos, podem ser um grande fator de atração para o público jovem não tabagista, seduzido pelo apelo estético, moderno, saboroso e “inocente” dos vapes. O “inofensivo aparelho” produziu ainda centenas de mortes por doenças pulmonares de causa desconhecida nos Estados Unidos. Provavelmente, o componente oleoso do produto leva ao depósito de gordura nos alvéolos pulmonares, produzindo uma pneumonia lipídica. Isso é muito perigoso. Pesquisas feitas com jovens norte-americanos têm mostrado um aumento preocupante de adolescentes fumando cigarros eletrônicos, sem contar o aumento de casos de insuficiência respiratória aguda em indivíduos entre 18 e 35 anos. Essa pode ser a situação do Brasil caso legalizemos o produto.

Fonte: https://jovempan.com.br/opiniao-jovem-pan/comentaristas/camila-magalhaes/legalizacao-do-cigarro-eletronico-no-brasil-pode-provocar-aumento-preocupante-de-jovens-fumantes.html

 

17/09/2020

Um inquérito global desenvolvido pela Philip Morris International (PMI), dona da Tabaqueira em Portugal, conclui que os processos de tomada de decisão baseados em ciência devem ser uma prioridade para empresas e governos. De acordo com a direção da PMI, “disponibilizamos as nossas descobertas científicas e métodos para que outros as verifiquem, convidamos entidades externas a fazerem pesquisa independente aos nossos produtos e encorajamos uma conversa alargada e baseada na ciência com reguladores, cientistas e a comunidade de saúde pública sobre estas novas alternativas e o papel que podem desempenhar no controlo do tabagismo e redução de riscos”.

Referência

SILVA, Nuno Miguel. Estudo conclui que decisões baseadas na ciência são prioridade para governos e empresas. Jornal Económico, 17 set. 2020. Disponível em: https://jornaleconomico.sapo.pt/noticias/estudo-da-philip-morris-conclui.... Acesso em: 29 mar. 2021.

 

Páginas