Portal ENSP - Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca Portal FIOCRUZ - Fundação Oswaldo Cruz
Início / Estrategias E Taticas / Táticas midiáticas

Táticas midiáticas

Relações Públicas

"Moldam a opinião pública, utilizando os meios de comunicação para promover posições favoráveis à indústria."1.

A indústria há muito tempo emprega a mídia para promover os seus próprios fins. Com a desconfiança do público em relação a suas mensagens, as indústrias fumageiras passaram a ''falar'' através de terceiros. Hoje sabemos que todas as empresas de tabaco ainda empregam assessores de imprensa, que escrevem e publicam ''releases'' a favor da indústria, organizam entrevistas coletivas e visitas a redações, fornecendo relatórios e dados para jornalistas, especificamente jornalistas da área econômica.

Seminários internos (''in house'')

Menos visíveis são os contatos da indústria com a mídia 'por debaixo dos panos'. Em março de 2000, o serviço internacional da BBC organizou um seminário sobre o hábito de fumar intitulado "Fumar ou não fumar", que ofereceu uma vitrine tanto para a indústria como para a comunidade de controle do tabaco (Action on Smoking and Health e OMS)2. A carta de agradecimento da BBC (assinada pelo gerente de projetos educacionais do serviço internacional da emissora, Robert Seatter)3 e endereçada ao assessor de imprensa da British American Tobacco (BAT) sugere que o evento foi um sucesso, pelo menos da perspectiva do networking da BAT: 

''Prezado Fran,''

''Um agradecimento oficial de minha parte e da equipe de produtores pela apresentação esclarecedora e proveitosa que você fez em nosso recente seminário sobre o fumo! Todos os participantes do seminário acharam o dia extremamente produtivo no sentido de expressar a complexidade e atratividade das questões abordadas, e isso irá, tenho certeza, se refletir em seu trabalho junto a emissoras de rádio e online. Tenho certeza de que iremos retomar o contato consigo em futuro próximo para informações e consultas adicionais.'' 

Matérias pagas

Uma maneira mais indireta de ''media advocacy'' inclui encomendar editoriais, colunas e artigos jornalísticos através da contratação de especialistas independentes, ou seja, a aplicação de Técnicas Envolvendo Terceiros ou convencer editores a escreverem tais materiais, assinando-os como autores.

"Turning Free Speech into Corporate Speech"4 é o título de um artigo sobre os esforços da Philip Morris para influenciar jornalistas norte-americanos e europeus, no que se refere ao relatório da Environmental Protection Agency (EPA), dos EUA, sobre fumo passivo. Pesquisas realizadas com os documentos da indústria fumageira revelam que a Philip Morris envidou esforços para obter cobertura favorável na imprensa através da empresa de Relações Públicas Burson.Marsteller na década de 1990, e até chegou ao ponto de patrocinar uma escola de jornalismo norte-americana. Além disso, jornalistas associados a institutos de pesquisa, que recebiam verbas da Philip Morris, escreveram inúmeros artigos criticando a atuação da EPA.

'Wining and Dining'

A tentativa de influenciar a política editorial algumas vezes inclui ''wining and dining'' _ empresas sob ataque aproveitam toda e qualquer oportunidade para construir ou manter boas relações com editores e donos de empresas de comunicação _ e políticos também _ através da oferta de amenidades gratuitas. No Brasil, entre os jornalistas, tais amenidades são conhecidas como 'boca livre'. 

Responsabilidade Social Corporativa

Grande parte da estratégia midiática da indústria fumageira diz respeito à gestão de sua reputação. A Responsabilidade Social Corporativa é de importância crescente quando se trata de garantir uma "licença para operar" _ a aceitabilidade da empresa e da indústria aos olhos do público. É importante criar uma imagem positiva, mesmo que a indústria do fumo mate um em cada dois de seus usuários de longa data. Um bom exemplo de uma empresa usando filantropia para alavancar sua imagem pública é o programa de Bolsas da BAT para Jovens Afegãs.

O 'Estado-babá'

O objetivo de uma estratégia midiática é tanto focar-se em formuladores de políticas e no público em geral, visando influenciar o debate público, bem como deslocar o foco dos debates  envolvendo fumo e saúde para questões mais sedutoras. Esta visão popular _ e quase populista _ tenta enquadrar o controle do tabaco como uma inteferência governamental desnecessária, ou 'Estado-babá', como uma ameaça à liberdade do consumidor e aos direitos individuais. 

O jornal ''Financial Times'' apud (TOBACCO TACTICS, 2012) afirma, por exemplo, que a BAT atacou as propostas de embalagem genérica feitas pelo governo britânico, ao sugerir que tinha aliados no movimento libertário. Michael Prideaux (em inglês), Diretor de Comunicações da BAT, disse: "Eu acho que o argumento libertário repercute entre as pessoas que normalmente não ligam para o que a indústria fumageira diz"5

Além disso, a 'captura' do termo "discriminação" por parte da indústria e seus defensores é uma forma de tentar reconfigurar o debate de modo a que a indústria, os varejistas e os fumantes sejam retratadas como pobres vítimas da 'excessiva regulamentação' e da 'intromissão' do governo no campo das liberdades individuais.

Táticas midiáticas: algumas motivações políticas

A tática de veicular anúncios em mídias específicas costuma disseminar um discurso que tem por objetivo manifestar desaprovação sobre determinado conteúdo editorial ou para forçar a publicação de certos relatórios além de fomentar uma visibilidade positiva da indústria fumageira. Em exemplo, podemos citar o lançamento da Antologia da Revista Souza Cruz, que constrói uma imagem positiva da indústria além de mencionar a colaboração de pessoas famosas, como Manuel Bandeira, Lima Barreto, Cecília Meireles e Di Cavalcanti6.

A este respeito, ver também:

* Tática RSC
* Táticas publicitárias e marketing
* Táticas online
* Táticas educativas

31/08/2022

Estudos mostram que em diversos juices onde, teoricamente, não deveriam conter nicotina, apresentavam substâncias não rotuladas incluindo a nicotina.

Todos os tipos de tabagismo são prejudiciais à saúde!

Referência
Fonte: https://www.instagram.com/reel/Ch5e2zcPfko/?igshid=MDJmNzVkMjY%3D

 

12/07/2022

Um grande desafio com o avanço das redes sociais é entender a dimensão dos impactos negativos de determinados conteúdos entre os jovens, como na influência de comportamentos e hábitos que podem ser nocivos para a saúde. Uma dessas práticas, embora retratada em diversas publicações como algo prazeroso e divertido, é o ato de fumar. Agora, o maior estudo já conduzido sobre o tema comprovou que a exposição a postagens relacionadas a cigarros, vapes e outros modelos nas mídias mais que dobra as chances de adolescentes adotarem o hábito, além de aumentar a propensão em aderir à prática entre aqueles que nunca experimentaram.

Fonte: https://extra.globo.com/noticias/saude-e-ciencia/conteudos-sobre-tabagismo-nas-redes-sociais-mais-que-dobram-as-chances-de-adolescentes-adotarem-habito-diz-maior-estudo-sobre-tema-25540610.html

 

28/06/2022

Quem é o responsável pela adicção de substâncias cancerígenas nos cigarros? O STF observou a legalidade ao realizar esse julgamento? Essas e outras perguntas serão respondidas nesta palestra da Amata, em Curso sobre Prevenção e Orientação sobre Alcoolismo e Outras Drogas.

Referência

O STF descumpriu a lei ao interromper a retirada de aditivos nos cigarros? Amata Brasil, [s.l.], 2022. YouTube (34 min.). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=n1BBzsWtiFE. Acesso em: 4 jul. 2022.

 

20/06/2022

In celebration of the World no Tobacco Day, the WHO FCTC Knowledge hub for Articles 17 and 18 has launched a campaign on the impacts of the tobacco production chain on the environment and workers' health.

Fonte: https://extranet.who.int/fctcapps/fctcapps/fctc/kh/alternativelivelihoods/news/who-fctc-knowledge-hub-articles-17-and-18-launched

 

21/04/2022

Longe vão os tempos em que marcas de tabaco apelavam ao consumo de cigarros e patrocinavam grandes eventos culturais e desportivos. As últimas décadas, em particular desde a viragem do século, têm sido marcadas por uma mudança de estratégia de todo o sector, que quer hoje apostar em inovação e conhecimento para criar novos produtos, menos nocivos e mais seguros. "[Daqui a dez anos] consigo imaginar-me neste palco com um lindo maço de Marlboro e lembrar-vos de que estes costumavam ser os cigarros mais vendidos em todo o mundo numa categoria que já não existe", perspetivou Jacek Olczak. O CEO da Philip Morris International (PMI), grupo em que está inserida a Tabaqueira, falou dos desafios da estratégia livre de fumo durante nova edição do Delphi Economic Forum, que se realizou na Grécia entre 6 e 9 de abril.

Fonte: https://www.dn.pt/publicidade/destaques/como-a-inovacao-esta-a-ajudar-a-philip-morris-international-a-transformar-o-seu-negocio-14768185.html

 

11/04/2022

Inicialmente apresentados como uma alternativa ao cigarro comum, os cigarros eletrônicos chegaram à 4ª geração. Na análise de especialistas, ganharam "roupa nova", ficaram mais viciantes ao longo dos últimos anos e apelam cada vez mais para o público jovem, que desconhece os malefícios equivalentes ou até mesmo piores das substâncias que os compõem.

Fonte: https://g1.globo.com/saude/noticia/2022/04/11/cigarro-eletronico-chega-a-4a-geracao-com-roupa-nova-e-mais-viciante-anvisa-debate-regulamentacao.ghtml

 

11/04/2022

O Centro de Estudos sobre Tabaco e Saúde da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (ENSP/Fiocruz) lançou, nesta segunda-feira (11), uma campanha para alertar sobre os riscos do uso e da possível liberação dos dispositivos eletrônicos para fumar (DEFs) no Brasil. Além de materiais informativos, com foco nas redes sociais, a campanha promove, ainda, um abaixo-assinado online para que a população se manifeste contra a autorização dos cigarros eletrônicos no mercado nacional pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O abaixo-assinado pode ser acessado no link linktr.ee/cetab_fiocruz.

Referência

CAMPANHA da Fiocruz promove abaixo-assinado contra a permissão de cigarros eletrônicos no Brasil. Cetab/Ensp/Fiocruz, Rio de Janeiro, 23 mai. 2022. Disponível em: linktr.ee/cetab_fiocruz. Acesso em: 25 mai. 2022.

 

12/03/2022

Ao longo de 19 anos de existência, o cigarro eletrônico foi sempre cercado de polêmicas. Há os que o defendem como alternativa mais saudável ao cigarro. Há os que o condenam de forma veemente pelos efeitos na saúde. Há menos de um ano, para se ter ideia, a agência de saúde do Reino Unido chegou a reconhecer o dispositivo como alternativa para quem quer largar o cigarro tradicional. Não há muito tempo também, a Organização Mundial de Saúde (OMS) e o Instituto Nacional do Câncer (Inca) rechaçaram seu uso.  Pois agora um novo e amplo estudo, recém-publicado na revista científica Addiction, jogou mais lenha nessa fogueira.  

Fonte: https://oglobo.globo.com/saude/medicina/cigarro-eletronico-nao-porta-de-entrada-para-tabagismo-revela-estudo-25429132

 

11/03/2022

Foi inaugurada na manhã de quinta-feira, 10, a nova planta industrial da UTC Brasil em Santa Cruz do Sul – localizada no Distrito Industrial (BR 471 – Km 149,53). A cerimônia, seguida de almoço e visita às instalações, contou com a presença do vice-prefeito, Elstor Desbessel, do secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Marcio Farias Martins, além dos sócios, Dirk Siemann e Sasha Siemann, da CNT, e Hewitt Poland e Steve Coyte, da UTC Estados Unidos. “A nova planta industrial da UTC Brasil em Santa Cruz é um importante passo dentro do planejamento estratégico da empresa, que passou a operar em uma usina com maior capacidade, expressivo ganho de flexibilidade operacional e logística mais adequada à nossa operação. Estamos todos muito satisfeitos e orgulhosos com esta conquista”, destacou o diretor presidente, Carlos Eduardo Genehr.

Fonte: https://folhadomate.com/livre/utc-brasil-inaugura-nova-planta-industrial-em-santa-cruz-do-sul/

 

Páginas